Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2012

Dádivas de amor


Fotografia de Vincent Laforet



Na ausência partilhada
existe o silêncio amargo
como bola de fogo
que não se extingue.

Sonhos lapidados
alegrias esquecidas
delicadas lágrimas
em flores de amor
jamais floridas.

Nas ondas do sonho
imergi minhas emoções
numa melodia doce
onde as sensações se diluem
no corpo do poema

Mistério. Ternura. Saudade.

 

 Dádivas de amor
na total cumplicidade dos dias idos.
 

tags:
publicado por Menina Marota às 18:00
| comentar | Acompanhe-me
|
:
De Margarida Alegria a 20 de Janeiro de 2012 às 15:09
E não é que vim dar a mais um punhado de outros belos blogs poéticos?
Gostei!
parabéns! A mim um só já dá uma trabalheira...
E o Senhor da Pedra?!
Vivam as Meninas do Norte! ;))
Um abraço
De A.S. a 27 de Janeiro de 2012 às 15:17
Sim!... Um mistério. Uma ternura. Uma saudade...


Beijos,
AL

Comentar

Sensibilidades...

Regresso

uma parte de mim

Sentidos

Bom Dia!

Sereinement...

Voláteis gaivotas

A hora do encanto...

Ouro negro

Amanheço-me

Poema sem nome

Pés na Areia

Reciclagem

Fragile

Sons diáfanos...

O vento da utopia

Momentos meus...

Rota da vida

Vida

O vento e o tempo.

Talvez

Bom Dia!

Sons do vento

Dizem

Olhos de Vida

Sentires

Oceano dos sentidos

Dádivas de amor

Sentires...

Da minha janela

Bom dia...

Almas Pretéritas

A minha alma anda aqui...