Quarta-feira, 18 de Agosto de 2010

Revisão

Imagem Google sem indicação de autor

 

 

 

Hoje revi todo o ano que passou.
Confesso que ri, sorri, gargalhei.
Chorei… oh se chorei…
Por tanta coisa perdida,
engolida no orgulho,
do coração de mulher valente
que pensa somente pela sua mente.

Confesso, confesso… sou afinal
uma rapariga que a ninguém quer mal
mesmo quem não a compreendeu
e que ela amou
mas que a violentou
no mais profundo
do seu ser.

Ao som do piano
que ouve incessantemente
nada há que a faça cair
que a faça tremer.

Ó rapariguinha de coração ardente
que lutas, que choras,
mas que no coração albergas
a maior das vitórias,
porque no amor tens fé
não admites derrotas
e ris de ti,
dos teus medos,
e de quem secamente te diz

que nada és.

Não implores.
Não sufoques.
Ouve apenas
o som do piano e recorda

a menina que foste
rodopiando, rodopiando,
apaixonada
ao som do piano
que para ti tocava.

O ano terminou e dele,
afinal, nada restou.

 

 

 

 

(Poema escrito em 31 de Dezembro de 2009 originalmente no FB)

tags:
publicado por Menina Marota às 22:31
| comentar | Acompanhe-me
|

Sensibilidades...

Regresso

uma parte de mim

Sentidos

Bom Dia!

Sereinement...

Voláteis gaivotas

A hora do encanto...

Ouro negro

Amanheço-me

Poema sem nome

Pés na Areia

Reciclagem

Fragile

Sons diáfanos...

O vento da utopia

Momentos meus...

Rota da vida

Vida

O vento e o tempo.

Talvez

Bom Dia!

Sons do vento

Dizem

Olhos de Vida

Sentires

Oceano dos sentidos

Dádivas de amor

Sentires...

Da minha janela

Bom dia...

Almas Pretéritas

A minha alma anda aqui...