Quinta-feira, 19 de Agosto de 2010

Sou quem sou…


Pintura de Cristiane Campos



Nada direi de ti,
nem um só pensamento.

Num assomo, lentamente,
meu peito desgasta-se de palavras
que se repetem textualmente

pacientes, de toda a matéria que
se pressente para lá do que se não vê,
nem se imagina.

Entreaberto, como uma janela, meu coração
vislumbra o ocaso, em fragrâncias
de pétalas por entre caminhos
etéreos percorridos de mão em mão.

Sou quem sou.

Nesta forma de ser
não há espaço para intervalos
passeados entre os sentimentos
de olhos que nada vislumbram
nas profundezas da alma.

Rasgo meus sentidos e
abro a janela de sensações flóreas
para lá de todos os laivos de vida
que se sentem nas marés perdidas.

Hoje nada direi de ti.

Porque as palavras estão caladas
sossegadas, no fundo da alma,
e aí permanecerão.

 

 

 

(10.Junho.2009) 

 

 

tags:
publicado por Menina Marota às 21:00
| comentar | Acompanhe-me
|

Sensibilidades...

Regresso

uma parte de mim

Sentidos

Bom Dia!

Sereinement...

Voláteis gaivotas

A hora do encanto...

Ouro negro

Amanheço-me

Poema sem nome

Pés na Areia

Reciclagem

Fragile

Sons diáfanos...

O vento da utopia

Momentos meus...

Rota da vida

Vida

O vento e o tempo.

Talvez

Bom Dia!

Sons do vento

Dizem

Olhos de Vida

Sentires

Oceano dos sentidos

Dádivas de amor

Sentires...

Da minha janela

Bom dia...

Almas Pretéritas

A minha alma anda aqui...