Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

Remanescência de Vida

Imagem de Marina Filipovic

 

 

Na suavidade da música que, como espuma,

toca a areia mansamente e permanece no ar,

lentamente, espraio o olhar, no momento em

que sinto a brisa do vento o meu corpo beijar.

 

De coração descalço de sentimentos amorfos

corro através do campo verde da minha alma

que se confunde com a fresca aragem  do mar

dominando devagar  o meu corpo e me acalma.

 

Prossigo nas asas do sonho, entre nuvens e terra.

A fragrância que se espraia para lá do impossível, 

toca os sentidos da minha memória que se desnuda

 

na pulcritude etérea do firmamento onde nada e tudo

é possível, (a profundeza do sentimento remanesce),

no exacto momento que o pensamento se pensa mudo.

 

 

 

(memórias de mim...)
tags:
publicado por Menina Marota às 11:30
| comentar | Acompanhe-me
|

Sensibilidades...

Regresso

uma parte de mim

Sentidos

Bom Dia!

Sereinement...

Voláteis gaivotas

A hora do encanto...

Ouro negro

Amanheço-me

Poema sem nome

Pés na Areia

Reciclagem

Fragile

Sons diáfanos...

O vento da utopia

Momentos meus...

Rota da vida

Vida

O vento e o tempo.

Talvez

Bom Dia!

Sons do vento

Dizem

Olhos de Vida

Sentires

Oceano dos sentidos

Dádivas de amor

Sentires...

Da minha janela

Bom dia...

Almas Pretéritas

A minha alma anda aqui...