Terça-feira, 16 de Julho de 2013

Pés na Areia

Óleo de Zita Dantas
Óleo de Zita Dantas


Há um encanto nas palavras nascidas

do ocaso do tempo

como brisa refrescante

no entardecer de verão.

 

Há um sabor a sal na pele do anseio

que toca levemente o pulsar da razão.

 

E há a força trespassando a sinfonia

que solta o sentimento

(das estrelas cativo)

onde o desejo se funde no corpo opaco

do pensamento.

 

A noite precede o dia onde tudo se clarifica.

 

Pés nus na areia fina

nas ondas do mar

me reinvento.

 

publicado por Menina Marota às 18:30
| comentar | Acompanhe-me
|
:
De Sergio Costa a 20 de Julho de 2013 às 13:25
Excelente e vibrante poema a traduzir o renascimento do pensamento ou de ideais perdidos. A excelência da qualidade a que já começo a estar habituado e não me desiludo.
Parabéns pelo bom gosto da imagem escolhida:
Um abraço
Sérgio

Comentar

Sensibilidades...

Regresso

uma parte de mim

Sentidos

Bom Dia!

Sereinement...

Voláteis gaivotas

A hora do encanto...

Ouro negro

Amanheço-me

Poema sem nome

Pés na Areia

Reciclagem

Fragile

Sons diáfanos...

O vento da utopia

Momentos meus...

Rota da vida

Vida

O vento e o tempo.

Talvez

Bom Dia!

Sons do vento

Dizem

Olhos de Vida

Sentires

Oceano dos sentidos

Dádivas de amor

Sentires...

Da minha janela

Bom dia...

Almas Pretéritas

A minha alma anda aqui...