Sábado, 24 de Agosto de 2013

Ouro negro

Rita Loyd


Chovem pirilampos

nas sílabas que se entrecruzam

linha a linha 

no pensamento da palavra

e nos sons esculpidos

pelo bosque silente da aurora.

 

No rulhar dos pássaros entre

o viçoso verde do arvoredo,

Mãe Gaia, entre rocha e lava,

chora a diáspora sangrenta  

que, da entranha da terra,

o ouro negro é causador.

 

Subsiste uma luta pagã

entre gigantes e deuses

no limite intangível da

natureza e todos os homens

submergem na fria mortalha

que o planeta lhes reservou.

 

Pintura Rita Loyd

publicado por Menina Marota às 13:21
| comentar | Acompanhe-me (1)
|

Sensibilidades...

Regresso

uma parte de mim

Sentidos

Bom Dia!

Sereinement...

Voláteis gaivotas

A hora do encanto...

Ouro negro

Amanheço-me

Poema sem nome

Pés na Areia

Reciclagem

Fragile

Sons diáfanos...

O vento da utopia

Momentos meus...

Rota da vida

Vida

O vento e o tempo.

Talvez

Bom Dia!

Sons do vento

Dizem

Olhos de Vida

Sentires

Oceano dos sentidos

Dádivas de amor

Sentires...

Da minha janela

Bom dia...

Almas Pretéritas

A minha alma anda aqui...