Domingo, 14 de Julho de 2013

Reciclagem

 

Entre o mar e o rio
não há lugar para promessas
dispersas entre grãos de areia
na invariável limpidez

do inexplicável silêncio

O tempo entre cada margem é longo
e na passagem por elas
os barcos antecipam

a voragem dos sentimentos

Entre a noção e a razão
existe dor e silêncio
intenso

como a dimensão do mar
terrível

como a certeza do abandono.

Como sal purificador
fluindo na seiva de nós
afastados que somos

por sonhos diáfanos

que se espelham
na incerteza da razão

- reciclagem de tempo -
perdido entre risos de veneno
mordidos língua a língua
consagrando

o húmus da utopia

Reciclagem de sentimentos
tornada leve

como nuvens brancas de algodão

 

 

in, Olhos de Vida, pág. 12,
publicação em Livro Digital para iPad
Ilustrações de Catarina Lourenço
disponível em  Livraria Liberdade e  Itunes 


(Desligar a música de fundo para ouvir o vídeo)

 

tags:
publicado por Menina Marota às 09:45
| comentar | Acompanhe-me
|

Sensibilidades...

Regresso

uma parte de mim

Sentidos

Bom Dia!

Sereinement...

Voláteis gaivotas

A hora do encanto...

Ouro negro

Amanheço-me

Poema sem nome

Pés na Areia

Reciclagem

Fragile

Sons diáfanos...

O vento da utopia

Momentos meus...

Rota da vida

Vida

O vento e o tempo.

Talvez

Bom Dia!

Sons do vento

Dizem

Olhos de Vida

Sentires

Oceano dos sentidos

Dádivas de amor

Sentires...

Da minha janela

Bom dia...

Almas Pretéritas

A minha alma anda aqui...