Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alma Minha...

Arquivo de sonhos e memórias.

Alma Minha...

Arquivo de sonhos e memórias.

25
Set10

Viagem

  

Começo aqui,

no local onde me abrigo,

um olhar aberto de mim para comigo.

Começo aqui

um voar acautelado

por entre as nuvens do horizonte.

Começo aqui

a melodia que, em alegria,

toca meu coração.

Começo aqui

o dia dos meus dias,

por entre mágoas e perdão,

crendo no valor da música sentida,

cultivada entre a razão e a ilusão.

Começo aqui

o dedilhar de palavras,

por entre as

vogais e consoantes,

que formam proposições do meu sentir

numa panóplia de emoções.

Começo a viagem

ao sentimento de todas as sensações

Regresso a mim

 

 Os meus amores

(Clicar para ver o vídeo)

24
Set10

Remanescência de Vida

Imagem de Marina Filipovic

 

 

Na suavidade da música que, como espuma,

toca a areia mansamente e permanece no ar,

lentamente, espraio o olhar, no momento em

que sinto a brisa do vento o meu corpo beijar.

 

De coração descalço de sentimentos amorfos

corro através do campo verde da minha alma

que se confunde com a fresca aragem  do mar

dominando devagar  o meu corpo e me acalma.

 

Prossigo nas asas do sonho, entre nuvens e terra.

A fragrância que se espraia para lá do impossível, 

toca os sentidos da minha memória que se desnuda

 

na pulcritude etérea do firmamento onde nada e tudo

é possível, (a profundeza do sentimento remanesce),

no exacto momento que o pensamento se pensa mudo.

 

 

 

(memórias de mim...)
22
Set10

Outono

 

Findou o Verão

tempo de sol  mar

sorrir... beijar.

 

O Outono em seu lugar

saudações enviou

fazendo acreditar

que a esperança não morre

no coração de quem

já não é criança e confia

ainda na palavra Amiga

no Abraço oferecido

no Amor compreendido.

 

Sorri feliz meu coração

por alguém dar-me a mão

afagar meus cabelos e, olhos

nos olhos, suavemente dizer…

Não tenhas medo!

  

(Desligar, p.f. a música de fundo para ouvir o vídeo)

07
Set10

Frugal utopia

 (Imagem de Willy Marthinussen)

 

 

Ela apaixonara-se pela ideia da imagem

que ele tudo fizera por transmitir. 

 

Ele apaixonara-se pela ideia

do que pensava que ela iria ser.

E não foi!

 

Nenhum deles,

afinal,

estava apaixonado:

ambos estavam equivocados

na visão do que cada um fazia do outro.

Pura utopia!

 

E, dos frugais ensejos que tiveram,

nada restou. 

Apenas dois desconhecidos.

 

02
Set10

Momentos de Vida

(Imagem de Haleh Bryan)

 

 

Na minha face há a serenidade

de dias calmos baloiçando ao vento

entre o mar e as gaivotas

que pululam o firmamento.

 

Nos meus braços há a ternura de sentimentos

partilhados dia a dia

na lembrança de um amor

vinculado e relembrado que,

 

na  encruzilhada do tempo,

entre sonhos e  memórias,

vive gravado na areia da nossa praia secreta,

escultura sólida,

onde escrevo o alvorecer do amanhã

que comigo permanece

na lhaneza da Vida.