Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alma Minha...

Arquivo de sonhos e memórias.

Alma Minha...

Arquivo de sonhos e memórias.

10
Dez17

Pingos de chuva

Gosto de sentar-me no chão ouvindo o estalar da madeira soltando faíscas, enquanto o frio nos vidros desliza como pequenas bolas brilhantes.
Nesta calma acabo o vinho do jantar enquanto mordisco o resto do queijo que a filhota trouxe.
A noite torna-se mais bela mesmo sem estrelas a brilhar.

 

Minha casa

 


Pingos de chuva.
Gotas frias em calor
Labaredas de corpo sedento
Música em alma presente.
Sentimentos.
Saudade. Pronuncia. Vida.

 

Somos
maré-cheia dos dias.
Ondas magnéticas de cor
que embaciam meus olhos
castanhos, cor da madeira.

 

Chama viva que aquece
o corpo que fomos
a música que sentimos
a paixão que aconteceu.

 

Pingos de chuva.
Ardentes.

23
Dez13

Voláteis gaivotas

Autor desconhecido



Voláteis gaivotas

no horizonte se desenham

na poética hondura do cintilar

da terra amena que o rio atravessa

e se perde no mar.

 

Imutáveis as palavras efémeras

que dos poetas provenham.

 

24
Ago13

Ouro negro

Rita Loyd
 
 


Chovem pirilampos

nas sílabas que se entrecruzam

linha a linha 

no pensamento da palavra

e nos sons esculpidos

pelo bosque silente da aurora.

 

No rulhar dos pássaros entre

o viçoso verde do arvoredo,

Mãe Gaia, entre rocha e lava,

chora a diáspora sangrenta  

que, da entranha da terra,

o ouro negro é causador.

 

Subsiste uma luta pagã

entre gigantes e deuses

no limite intangível da

natureza e todos os homens

submergem na fria mortalha

que o planeta lhes reservou.

 

Pintura Rita Loyd

16
Ago13

Amanheço-me

Amanheceu chuvoso como se o planeta chorasse todas as incompreensões do mundo…   

Pintura de Francine Van Hove

  Pintura de Francine Van Hove

 

Amanheço-me

na penumbra de Outono 
em dias de Verão
quando o sol do meio-dia 
ainda chora 
os vorazes dias da terra
alongando a sua ausência
nos espelhos de água 
onde se projectam emoções freudianas 
dos que se olham, 
largamente, 
em narcose acentuada.

Amanheço-me
em desejo do intenso sol 
projectando a vivaz alegria 
de uma vida simples e decantada.  

07
Ago13

PLACIDEZ

 
 

Olho-te em silêncio.


Sejas quem sejas sob meus olhos semicerrados
clarividentes de palavras enfeitadas de pronuncias
opostas, mágicas, no sentido que se dão, a todas elas.

Perscrutas instantes em torno do espírito primitivo
ambíguo de desejos insaciáveis, corpo em corpo,
pele, pálpebras cerradas, energias prudentes que fluem 
no âmago do sentido refrescado pela brisa que corre do mar
onde gaivotas descansadamente procuram abrigo na imensidão do areal.

Olho-te em verbo.  
Como quem olha as promessas de um livro branco.

Leio-te, sem te ver.  
Nas palavras repetidas, de outros lugares, de outros rostos,
locais sem nome, sem título, iluminados que sejam pela máscara da nudez do incerto.
Fénix que precede como um grito que brota do inominado circuito que orquestra os sentidos.

Conjuga o verbo conhecer e ter-me-ás.